Tocantins (Preservação da Biodivesidade: Fundação Portal do Pantanal - Painel do Coronel Paim)

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

JORNAL DO TOCANTINS

http://www.jornaldotocantins.com.br/



EDSON PAIM NOTICIAS


http://edsonpaim.com.br/





SITE DA TV PORTAL DO PANTANAL, NO AR! (MEIO AMBIENTE NOTÍCIAS)

CLIQUE:

http://tvportaldopantanal.com.br/




Minha foto 


      
Clique no Link abaixo e acesse 

um ou mais dos 599 Blogs da 

Parceria: Fundação Portal do

Pantanal / Painel do Paim/FM 

América 100.9 Mhz

https://www.blogger.com/profile/048861602895692797

65


quarta-feira, 11 de maio de 2016

Cinco casos de microcefalia são confirmados no Tocantins

Casos não foram causados pelo zika vírus, diz Sesau.
Outras 110 notificações continuam em investigação.


Cinco casos de microcefalia foram confirmados no Tocantins em 2016. Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde, estes casos não têm relação com o zika vírus. Até esta terça-feira (10) eram 136 notificações da doença no estado.
Das cinco confirmações, quatro são por doenças infecciosas como sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus ou herpes. O outro foi por anencefalia, uma malformação onde o bebê não possui cérebro.
Conforme a Sesau, 110 casos continuam em investigação e 21 foram descartados. Além disso, não há nenhuma confirmação da relação dos casos com o zika vírus até o momento.
Cinco casos de microcefalia foram confirmados no Tocantins em 2016. Segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde, estes casos não têm relação com o zika vírus. Até esta terça-feira (10) eram 136 notificações da doença no estado.
Das cinco confirmações, quatro são por doenças infecciosas como sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus ou herpes. O outro foi por anencefalia, uma malformação onde o bebê não possui cérebro.
Conforme a Sesau, 110 casos continuam em investigação e 21 foram descartados. Além disso, não há nenhuma confirmação da relação dos casos com o zika vírus até o momento.
g1globo
Postado por: Ygor I. Mendes

sábado, 7 de maio de 2016

Cinema e dança são atrações do Sesc Amazônia das Artes em Palmas

Espetáculo 'Réquiem para Dois', começas as 20h, no Teatro Sesc. 
'Licor De Pequi' e 'Ouça-me' serão exibidos às 19h e 21h, no CineSesc.


O cinema e a dança serão as atrações do Sesc Amazônia das Artes deste sábado (7), na capital. Os filmes mato-grossense "Licor de Pequi" e o tocantinense "Ouça-me" terão sessões duplas às 19h e 21h e serão exibidos no CineSesc do Centro de Atividades, localizado na quadra 502 Norte. Já o espetáculo "Réquiem para dois" começa às 20h, no Teatro Sesc Palmas.
A programação do Sesc Amazônia das Artes segue até o dia 14 desse mês e a programação completa pode ser conferida aqui.
Dança
Em “Réquiem para Dois”, a companhia de Intérpretes Independentes, de Manaus, aborda a morte. O fenômeno é encarado como parte de um ciclo temporal, partindo do ponto de vista da perda para quem fica.
No espetáculo de dança contempirânea, duas cadeiras de madeira e uma área de barro com  compõem a cenografia.
Cinema
Segundo o Sesc, “Ouça-Me” conta a história de um motorista de ônibus prestes a enfrentar problemas auditivos. Com a ajuda da família, ele vai resgatar os sons perdidos da sua história, em busca de um sentido novo para a vida.
De acordo com o Sesc, "Licor de Pequi" apresenta três gerações de mulheres distintas que  têm em comum a vivência da palavra e da comunicação. Uma dela tem boa memória, mas dificuldade de expressá-la.
Já outra, busca as letras para escrever poemas. Por fim, uma menina em fase de alfabetização que está descobrindo o mundo das palavras. A interação entre elas vai transformar o caminho de cada uma.
Réquiem para Dois
Classificação indicativa: Livre
Local: Teatro Sesc Palmas.
Quando: neste sábado (7)
Horário: as 20h
Valor: R$ 8,00 (Inteira/Usuário) e R$ 4,00 (meia para estudante, idoso e comerciário)
Mais informações: (63) 3219-9127
Ouça-me e "Licor de Pequi"
Classificação indicativa: Livre
Local: no CineSesc do Centro de Atividades, localizado na quadra 502 Norte
Quando: neste sábado (7)
Horário: sessões às 19h e 21h
Valor: entrada gratuita
Mais informações: (63) 3219-9127
G1GLOBO
Postado por: Ygor I. Mendes

sexta-feira, 6 de maio de 2016

PF prende sócios de fornecedora por suposta fraude de materiais cirúrgicos

Empresa é investigada por adulterar etiquetas de validade de produtos.
Cirurgias cardíacas foram suspensas no maior hospital de Palmas.


Dois sócios da empresa Cardiomed, investigada por fraudar etiquetas de validade de materiais cirúrgicos, foram presos em flagrante nesta quinta-feira (5). Por causa da suposta adulteração nos produtos, as cirurgias no Hospital Geral de Palmas foram suspensas.

A empresa foi denunciada nesta quinta-feira pela Secretaria de Saúde depois que funcionários do Hospital Geral de Palmas (HGP) perceberam que os lacres de validade dos produtos estavam adulterados. Segundo a secretaria, a empresa fornecia produtos vencidos, mas falsificada a etiqueta colocando outra data de vencimento.

PF apreende materiais (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Policiais apreenderam materiais e documentos de
 fornecedora (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Um dos sócios foi preso em Palmas, e o outro em Araguaína, onde fica a sede da empresa. Eles vão responder pelos crimes de fraude de contrato público e alteração de produtos destinados a fins terapêuticos ou medicinais.

Os materiais eram usados em pacientes que faziam procedimentos no coração, como angioplastias, cateterismos e implantes de marcapassos, no maior hospital público doTocantins, o HGP.

Por causa do caso, as cirurgias cardíacas foram suspensas. Cerca de 40 pacientes estão na fila de espera. "Em casos emergenciais, nós estamos contratando as unidades privadas aqui do estado, para que elas nos cedam esses materiais, ou façam os procedimentos lá", informou o secretário estadual da saúde, Marcos Muzafir.

A Polícia Federal fez buscas no HGP e no escritório da empresa, em Palmas. Foram apreendidos documentos, como notas de vendas e materiais fraudados. A Vigilância Sanitária também interditou a empresa Cardiomed por falta de alvará sanitário.A secretaria vai fazer uma nova licitação e abriu uma sindicância para apurar o caso. "Nós vamos convocar todos os pacientes atendidos nos últimos dias, pra que possam retornar e fazer uma nova avaliação clínica deles", complementou o secretário.



Empresa teria colocado etiqueta falsa em materiais de cirurgia cardíaca (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Empresa teria colocado etiqueta falsa em insumos
hospitalares (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Defesa
O advogado da Cardiomed Marcelo Henrique Moura, informou que a empresa está colaborando com as investigações.

"Todas as informações, tudo o que a polícia tem pedido foi feito e foi demonstrado de que nesta fase inicial só nos cabe abrir as portas. Isso está sendo feito e estamos nos colocando à disposição do que a polícia e a Vigilância Sanitária acharem pertinente ao caso. É uma coisa primária que depende de provas a serem produzidas".
G1GLOBO
Postado por: Ygor I. Mendes

domingo, 25 de outubro de 2015

Jogos Mundiais têm desfile de beleza indígena


Por Redação, com ABr – de Palmas:
O público presente na Arena Verde dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas (JMPI) em Palmas (TO) na noite de sábado pôde conferir um desfile de beleza indígena. Segundo a organização dos JMPI, esse tipo de apresentação é bem tradicional nas festividades indígenas e desta vez reuniu representantes de diversos países.
Um tapete vermelho foi colocado no meio da arena e os atletas que, mais cedo, no período da tarde, participaram das demonstrações das modalidades tradicionais, se sentaram para prestigiar e torcer pelas representantes de suas aldeias.
Mulheres de diversas etnias participam de desfile de beleza indígena durante os Jogos Mundiais dos Povos Indígenas
Mulheres de diversas etnias participam de desfile de beleza indígena durante os Jogos Mundiais dos Povos Indígenas
– Esse momento dos jogos foi pensado para mostrar a beleza da mulher indígena. Essa prática é muito comum nas aldeias. Não é uma disputa. Queremos mostrar que a beleza não é definida se a mulher é magra ou não, a finalidade é mostrar a beleza peculiar de cada etnia – explicou o articulador dos Jogos Mundiais Indígenas, Carlos Terena.
Cerca de 50 mulheres se apresentaram cada uma com pinturas e adereços típicos de suas etnias. Algumas garotas pareciam mais tímidas do que outras, porém, os gritos que vinham da arquibancada serviam de incentivo. A maior parte da torcida era para as modelos das etnias brasileiras, porém, representantes de delegações estrangeiras foram bastante aplaudidas pelas 7 mil pessoas que lotaram as arquibancadas.
Foi assim com a represente do México, que usava um vestido colorido, com flores bordadas e cabelos trançados; e as indígenas Maori que desfilaram fazendo caretas para o público. Na tradição Maori, os olhos arregalados e as caretas são para mostrar a força interior da etnia da Nova Zelândia.
Entre as representantes das etnias brasileiras o que se viu foi uma diversidade grande de pinturas corporais, colares, cocares e adereços que traziam para o tapete vermelho do desfile as características de cada povo.
As oito “guerreiras” que representavam o povo Pataxó da Bahia abriram desfile usando saias, tops e colares que foram desenvolvidos pela designer Ludmila Pataxó. Sementes, penas, fibras, miçangas, palhas e sementes são materiais adotados pela maioria das etnias brasileiras.  Os corpos pintados também são outra característica marcante.
Atenta a cada detalhe do desfile, a menina Jemina, 9 anos, da etnia Gavião, do Pará, foi prestigiar a prima que participava do evento, mas acabou se encantando com uma representante de outro povo. “Eu achei que a mais bonita foi a moça do povo Carajá por causa das pinturas. Quando eu crescer eu também vou querer desfilar”, disse.
Brama Gavião foi umas das participantes do desfile. Ela conta que foi escolhida para representar sua etnia no desfile de sábado em uma espécie de eliminatória com mais dez garotas de diversas aldeias. “Eu amei representar o meu povo, foi muito especial. Eu vim aqui para representar a cultura do meu povo e acho que consegui”, comemorou.
 

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Jogos Indígenas devem receber 10 mil turistas por dia, estima ministério

  • 28/07/2015 21h55
  • Brasília
Da Agência Brasil

O ministro do Esporte, George Hilton, visitou hoje (28) a cidade de Palmas para saber como estão as obras para os Jogos Mundiais dos Povos Indígenas. Hilton conheceu os locais que abrigarão os atletas, as escolas municipais que receberão modalidades desportivas e a Universidade Federal de Tocantins, onde está sendo construída uma pista de atletismo.
Os jogos ocorrerão de 23 de outubro a 1º de novembro na capital tocantinense. Segundo o ministério, são esperados 1.150 atletas de etnias nacionais e 1.100 de outros países, além de mais de 10 mil turistas por dia.
“A ideia de vir aqui hoje é mostrar que os três entes estão integrados, os governos federal, estadual e municipal, além do Comitê Intertribal. Unidos, faremos uma grande celebração e realizaremos um evento de sucesso, dentro do cronograma”, disse Hilton, em entrevista divulgada pelo site do Ministério do Esporte.
“A ideia é que Palmas seja sede de outros eventos, tanto nacionais como internacionais. Eventos como esse trazem veículos de comunicação de diversos países do mundo. O objetivo é colocar a capital de Tocantins como centro esportivo”, acrescentou o ministro.
O secretário dos Jogos Indígenas, Hector Franco, informou que a Vila dos Jogos, principal local de competições, está com as obras em andamento. “A área já recebeu 90% da pavimentação e 80% da rede elétrica e conta com 30% da instalação de água e esgoto executadas. O mais importante é que essa estrutura de base torna Palmas apta p ara receber qualquer grande evento”, disse Franco ao site oficial do evento.
Edição: Aécio Amado

sexta-feira, 10 de julho de 2015

MMA fortalece parcerias na Amazônia Legal

Arte/Leandro Vieira

Encontros com os nove Estados da região buscam estabelecer estratégias de fortalecimento do Zoneamento Ecológico-Econômico
Por: Rafaela Ribeiro – Editor: Marco Moreira
O Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) apresentam, nesta terça-feira (07/07) em Palmas, Tocantins, e quarta-feira (08/07), em São Luís, Maranhão, os resultados do Projeto Uniformização do Zoneamento Ecológico-Econômico da Amazônia Legal (UZEE).

As apresentações encerram um ciclo de seminários nos nove Estados da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), com o objetivo de estabelecer estratégias conjuntas de fortalecimento do zoneamento ecológico-econômico (ZEE) na região. Os encontros reúnem gestores públicos, técnicos e demais interessados no tema.
 INTEGRAÇÃO
A iniciativa faz parte do projeto Uniformização do Zoneamento Ecológico-Econômico da Amazônia Legal e integração com o Zoneamento Agroecológico da Região, apoiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A iniciativa é executada a partir da larga experiência do Ministério do Meio Ambiente e do Consórcio ZEE Brasil. O estudo conta com uma equipe formada por pesquisadores de diversas instituições presentes na região amazônica, em permanente diálogo com os estados.
Como a produção de energia renovável e sustentável é um desafio global, o UZEE Amazônia Legal está indicando as espécies agroenergéticas mais adaptadas à região e as áreas aptas para o cultivo. Entre as espécies florestais identificadas está o tachi-branco, cujo sistema de produção já foi desenvolvido pela Embrapa. A intenção não é restringir as potencialidades nem impor outras atividades produtivas, mas sim racionalizar o uso do território e organizá-lo em torno de premissas ambientais, econômicas e sociais que respeitem e valorizem a vocação da região.
 RESULTADOS
De acordo com o gerente do Departamento de Zoneamento Territorial do MMA, Bruno Abe Saber Miguel, entre os resultados do projeto estão: a disponibilização da base de informações sobre os ZEEs da região por meio do Sistema Interativo de Análise Geoespacial da Amazônia Legal; a compatibilização das diretrizes de uso e ocupação elaboradas a partir das diversas iniciativas de Zoneamento Ecológico-Econômico, em uma perspectiva macrorregional; e a capacitação das instituições financeiras e dos atores locais em gestão territorial a partir dos diferentes produtos gerados pelo zoneamento.
Além disso, destaca que a iniciativa tem contribuído, consideravelmente, para estreitar a relação de cooperação do MMA com os nove Estados amazônicos, proporcionando a contratação de profissionais para apoiar os órgãos estaduais responsáveis pelo ZEE e a presença constante da equipe do ministério nas atividades que integram a região.
“Enquanto alguns Estados, como Acre e Pará, já concluíram a elaboração de seus zoneamentos e têm avançado na implantação do instrumento, outros, como Roraima e Tocantins, ainda estão formulando seus ZEEs”, afirmou Miguel. “O projeto tem proporcionado um grande apoio, de acordo com a situação de cada Estado.”
Busca-se, também, a articulação do ZEE com os zoneamentos agroecológicos de culturas nativas favoráveis à produção de bioenergia, identificando-se, naquelas aquelas áreas já desmatadas (estimadas em cerca de 700.000 km2), os locais com aptidão para seu cultivo. “Com os impactos previstos do aquecimento global na configuração da produção agrícola nacional, essa iniciativa reveste-se da maior importância para orientar o crescimento sustentável da produção de bioenergia com a conservação dos serviços ambientais e dos recursos naturais. Além de contribuir para a própria política de restauração e reflorestamento anunciada recentemente pela presidenta Dilma Rousseff”, destacou Saber.
 SAIBA MAIS
O zoneamento ecológico-econômico é um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente e busca orientar os programas, planos e políticas voltados ao uso e ocupação do território de acordo com suas fragilidades e potencialidades. Para tanto, parte do diagnóstico dos meios físico, socioeconômico e jurídico-institucional e do estabelecimento de cenários exploratórios para a proposição de diretrizes legais e programáticas para cada unidade territorial identificada.
De acordo com o novo Código Florestal (lei federal 12.651/2012), todas as unidades da federação precisam elaborar e aprovar seus ZEEs até maio de 2017, de acordo com a metodologia proposta pelo Governo Federal.

Asssessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA) - (61) 2028.1165

Links:
Saiba mais sobre o zoneamento nos Estados
Conheça o que é zoneamento territorial